domingo, 28 de novembro de 2010

Desafio e Reação

Não poderíamos deixar de registrar os últimos acontecimentos no nosso Rio de Janeiro.  É uma verdadeira guerra contra o banditismo que mais cedo ou mais tarde iria acontecer. E no meio de tantas notícias, recebemos um texto interessante escrito por Merval Pereira, e publicado no jornal "O Globo" no dia 25/11/2010. Vale a pena ler.

                                         Polícia hasteia a bandeira do Brasil e da Polícia Civil no alto do Alemão / Foto: Bruno Gonzalez - Extra
                                                                                                           (Fonte: O Globo - 25/11/10)

"O  que  está acontecendo no Rio nos últimos dias é simplesmente terrorismo e, como tal, deve ser combatido com a participação das Forças Armadas. Mas não  como  responsáveis  pelas  operações,  mas sim assumindo suas funções naturais.  O  economista Sérgio Besserman, que foi um dos estrategistas da política  de  retomada  dos  territórios  ocupados  pelos bandidos no Rio, lembra  que  terrorismo  é  uma questão de segurança nacional e, portanto, mesmo  sem  alterar  a  Constituição já caiu o anteparo constitucional que sempre  foi  usado  para evitar que as Forças Armadas se envolvessem nessa questão de segurança criminal.
O  professor  de  História Contemporânea da UFRJ Francisco Carlos Teixeira considera  um  equívoco  pensar  que  só  é terrorismo aquilo que parte de grupos políticos, com um programa político, e objetivos bem estabelecidos, como  libertação  de  um  território,  ou  luta  contra  um  regime.
"Terrorismo  é  um  método  de  ação, não um objetivo", ressalta Teixeira. Quando  uma  pessoa  ou  um grupo organizado usa da violência, em especial contra  a  população  civil  ou  autoridades  constituídas  num  estado de direito, é terrorismo".
Já Besserman lembra que terrorismo não luta para ganhar a guerra, mas para ganhar a comunicação, que no caso do Rio é instalar o pânico na população, sugerir  que são capazes de impor elevados custos a todo o estado, de modo a    forçar  algum  tipo  de  acordo,  ou  explícito,  ou  tácito.
"E o que cabe às forças de segurança do estado, mas não apenas a elas, mas também,  à  União  e à sociedade civil, é uma reação de não aceitar o jogo deles", salienta Besserman, considerando que a Secretaria de Segurança vai fazer  agora  um trabalho de inteligência, para demonstrar aos traficantes que  o  custo  da  ação terrorista é muito superior ao ocasional ganho que eles possam ter.  
Para  o  professor Francisco Carlos Teixeira, malgrado o princípio correto praticado  pelo  governo  estadual de restabelecer o controle territorial, com  a  extensão  da  soberania do estado de direito, uma política pública aprovada  pela  maioria esmagadora da população, o grande erro é não dar a dimensão política adequada ao  combate    ao    narcotráfico.
"Não  se  trata apenas de pedir ou não ajuda federal. A ação federal deve, precisa,  ser  constante  com  ou  sem  pedidos  formais",  diz  ele.                                                                           
Não se trataria de uma intervenção, mas de exigir que a Receita Federal, a Polícia Federal e as Forças Armadas cumprissem com mais rigor e eficiência suas funções.
"Não  quero  dizer  que  são  ineficientes  ou  incompetentes",  esclarece Teixeira,  para  quem "simplesmente o governo federal não deu a prioridade que o caso necessita".
Estas  instituições  -  típicas  do  estado  moderno  e  expressão  de sua soberania - não foram chamadas e equipadas para a uma luta direta contra o narcotráfico.
Teixeira  ressalta  que  também  por  seus  métodos  (bombas, incêndios em carros,  uso  de  armas  de grosso calibre, chegando a atacar veículos das Forças  Armadas  ou  a  derrubar  helicópteros da polícia) reconhecemos um desafio  direto  ao  estado  de  direito  e,  aí,  a  coisa  é  política.
"Desafiar  o  estado  em  duas  de  suas  condições  de  estado moderno: o monopólio  da  violência  organizada  e  o acesso ao território, colocando graves  problemas  de  exercício da soberania, é um fato político", afirma Teixeira.   O  economista Sérgio Besserman chama a atenção para o fato de que esse não é um problema apenas  nosso, mas global.
O  exemplo do México é o mais claro de todos. Na sua análise, o tráfico de drogas  passou  a  ser  um  grande negócio global, a oferta de armas muito sofisticadas    aumentou,    elas    ficaram    muito    mais    baratas.
E  a  existência de muitos conflitos locais por todo o planeta faz com que exista    uma    enorme    oferta    de armas   de segunda mão.
"Tornou-se  possível  a  quem  queira  confrontar o monopólio da força por parte do estado se armar".
Para  Francisco Carlos Teixeira, envolver as Forças Armadas é um erro. Ele chama  a  atenção  para o que está acontecendo no México, onde cerca de 50 mil  homens das Forças Armadas lutam há quatro anos contra sete cartéis de drogas,  já  com  28  mil  mortos, desde dezembro de 2006, a maioria civis inocentes.                                  O  que ocorreu lá? Ineficiência e, claro, a inadequação de função, ao lado da  intrusão  da corrupção e do suborno nas Forças Armadas, e forte choque entre  autoridades  civis  e  militares,  inclusive  no controle do espaço público".  Segundo  Teixeira,  o  Estado  deve tomar as decisões necessárias com suas instituições  republicanas,  e  todos já sabemos quais são estas ações: ao lado  de um projeto correto e apoiado pela população precisamos que: (a) a Receita  Federal  controle  o  fluxo  anormal  de  recursos,  a lavagem de dinheiro  e  as  operações  fronteiriças; (b) a PF interrompa a entrada de armas  e  de  drogas;  (c) as Forças Armadas tenham meios materiais para o efetivo  controle  das  fronteiras,  de forma organizada, permanente e com modernos recursos tecnológicos.
Além  disso,  as  Forças Armadas podem trabalhar na formação de pessoal em  logística,  inteligência, preparação de ações contra motins e demonstração e treinamento de armas e, principalmente, armamento não letal. Segundo ele o  equipamento  da  nossa  PM  é  ainda  muito  ruim, com grave deficit de material de defesa pessoal.
O  professor  Francisco  Carlos  Teixeira  dá  um  depoimento pessoal: "Eu próprio  vi, em Rondônia, a ação exemplar do Exército no controle do fluxo de  drogas na fronteira (e do desmatamento). Mas, a piada é que tais ações possuem  calendário,  posto  que  o diesel distribuído é insuficiente para patrulhas diárias durante 30 dias do mês. Assim, os bandidos ( traficantes e  desmatadores  )  esperam  dia  15 ou 18 de cada mês para reiniciar suas operações, quando já sabem que o diesel acabou".  

sábado, 27 de novembro de 2010

ARCHIMEDES MEMÓRIA – CONHECE?

jockey club rio de janeiro - archimedes memória

Não conhecia este arquiteto (1893-1960), nascido no Ceará e falecido no Rio de Janeiro, mas gostei de tomar conhecimento de seu trabalho e trajetória de vida.
Archimedes Memória foi reponsável por inúmeros projetos arquitetônicos marcantes como a sede do Jockey Club do Rio de Janeiro (foto), o Palácio Tiradentes, o altar da Igreja da Candelária, além de vários outros.
Péricles Memória Filho publicou um livro sobre seu avô: 
Archimedes Memória: o último dos ecléticos (Editora e Livraria Brasil, 2008)
Procure conhecer mais!
VEJA MAIS em 

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Aos aniversariantes de Novembro - um bolo de felicidade

Receita para o bolo dos aniversariantes de novembro:
Ingredientes:


   1 xícara de serenidade
   3 colheres de sopa de paciência
   2 xícaras de caridade
   4 colheres de compreensão
   1 dose de respeito
   a mesma medida de tolerância
   1 dúzia de amor
   1/2 litro de carinho
   3 copos de alegria
   1 kl. de fé
   2 kls. de pensamento positivo
   1 pitada de inteligência
   e muita humildade para semear.

   Preparo:
   Misture tudo, coloque dentro do 
   seu coração aquecido por   
   aproximadamente um tempo infinito.

   Rendimento:
  Para todos que buscam a felicidade.


Parabéns para:


RICARDO "PIRULITO"               dia 01/11
MARCO "CHARUTO" REIS          dia 02/11
RENATO  (BYRA)                      dia 02/11
LUIZ "BOIADEIRO"                    dia 18/11
ANA CLARA (CHICO)                 dia 06/11
JUJU (KIBE)                             dia 24/11
ZÉ AUGUSTO (saudades)          dia 28/11
TADEU "PAPINHA"                   dia 30/11

Aquilo que dá no coração - Lenine

Ouça a música e leia o texto abaixo

Separação de Bens e Separação de Males



Para aperfeiçoar o casamento e torná-lo mais feliz, nossos legisladores criaram o casamento com separação de bens. Mas falta ainda um passo para que a felicidade dos cônjuges seja completa: a criação do casamento com separação de males.

* Meu pai me contou que, quando era menino, no início do século passado, guardava seus brinquedos num saco. Os brinquedos que meu pai menino guardava no saco: latas vazias, pedaços de barbante, sementes, sabugos de milho, botões, pedaços de pau, pedrinhas e todo tipo de coisas inúteis. Quando alguém aparecia para visitar minha avó ele pegava o saco de brinquedos e o esvaziava diante da visita. Certamente achava seus brinquedos interessantíssimos! A mãe dele ficava furiosa e lhe aplicava o devido corretivo de chineladas depois que a visita ia embora. A chinela era um dos itens favoritos que minha avó guardava no saco de brinquedos dela. As crianças continuam as mesmas. Ainda gostam de mostrar brinquedos. A gente cresce e continua criança. “Em todo homem há uma criança que deseja brincar...“ (Nietzsche). E todos temos o nosso saco de brinquedos. A fala somos nós abrindo o saco e despejando brinquedos... O saco de brinquedos: isso é de fundamental importância, quando o amor está em jogo. A paixão acontece quando, fascinados por uma imagem – pode ser um jeito de olhar, um jeito de sorrir, um jeito de falar... - imaginamos que dentro daquele corpo de imagem fascinante estão guardados os brinquedos com que gostamos de brincar. O que vemos é a imagem da pessoa amada, mas o que imaginamos são os brinquedos que julgamos guardados dentro dela. A imagem, sozinha, logo se transforma em monotonia. Ninguém consegue ficar o tempo todo contemplando a pessoa amada, por bonita que seja. O que alimenta a paixão não é a imagem mas os brinquedos que ela guarda... Hermann Hesse dizia que a pessoa objeto do nosso amor é apenas um símbolo, uma lagoa onde o rosto da “Outra“ aparece refletido. Que Outra? Aquela que imaginamos. Veja esses versos de Fernando Pessoa. Mas leia bem devagar...

“Amamos sempre, no que temos,
O que não temos quando amamos.
O barco pára, largo os remos
E, um a outro, as mãos nos damos.
A quem dou as mãos? À Outra.
Teus beijos são de mel de boca,
São os que sempre pensei dar,
E agora a minha boca toca
A boca que eu sonhei beijar.
De quem é a boca? Da Outra...“

E assim vai. Mas chega um tempo em que nos cansamos de dar as mãos, nos cansamos de olhar, nos cansamos de beijar. E dizemos: “Vamos brincar?“ Hora de abrir o saco, hora da verdade... Os brinquedos espalhados pelo chão, descobrimos que não eram os brinquedos que imaginávamos. O saco era lindo! E a beleza do saco nos enganou. Uma relação amorosa, para ser duradoura, tem de ser uma relação de brincar. Ela dura enquanto os dois brincam. Um gosta de brincar com bilboquê ou de ouvir música sertaneja, enquanto o outro detesta bilboquê e prefere ouvir música clássica... Aí o jeito é brincar sozinho. O Outro, quando aparece, é um desmancha-prazeres... Pergunta que os parceiros deveriam se fazer: “Temos prazer em brincar juntos? Ficamos felizes só em pensar que vamos brincar juntos?“ Se a resposta for negativa é melhor ir procurar outro saco...

Rubem Alves.
Contribuição do Byra

Frase do dia


"O melhor relacionamento não é aquele que une pessoas perfeitas, 
mas aquele onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro e 
consegue admirar suas qualidades."
autor desconhecido

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Cozinhando com Amigos

   Meus queridos amigos, abri um blog chamado "Cozinhando com os amigos". É um espaço, onde me proponho trazer algumas receitas de minha autoria. As quais minha família e amigos, tiveram a oportunidade de degustar.
   Será um espaço aberto, aonde trarei receitas de outros cozinheiros amadores e profissionais. Algumas delas, encontrei no webworld; outras são originais de minha vivência e aprendizado.
   Além disso, trarei também, algumas informações úteis, sobre diversos assuntos que dizem respeito a um dos sentidos mais complexos do ser humano: o paladar.
   Faço o convite a todos os que quiserem conhecer o blog. Basta acessar o link:  http://kibe-cozinhandocomamigos.blogspot.com/

Depois...Bom apetite!

sábado, 20 de novembro de 2010

Ana Clara clareou,chegou e venceu.


Ana Clara Duarte, nossa Clarinha, brilhou mais uma vez.
O Rio de Janeiro em muito breve será sede dos Jogos Olímpicos.  É fácil imaginar que os clubes e a máquina do governo já estariam em pleno vapor para a preparação e seleção de atletas, assim como a divulgação de torneios, principalmente os internacionais, que servem de base para o preparo das equipes olímpicas e também das profissionais. Infelizmente, a realidade parece ser um pouco diferente.
No início da semana, nosso amigo Xiquinho ligou para nos convidar a assistir sua filha Ana Clara, a tenista nº 1 do Brasil, que estaria participando de um Torneio Internacional de Tênis Profissional, que se realizaria do dia 13 a 20 de novembro, no Rio Cricket, em Icaraí.  Torneio de destaque no tênis internacional, faz parte do calendário oficial da ITF (International Tênis Federation), da categoria Challenger Feminino. 
Para minha surpresa, ao chegar não vi qualquer movimento no local, seja fora ou dentro do clube.  Imaginava que a final de um torneio dessa importância, levaria um público bem maior além da imprensa e dos próprios governantes da cidade, que em recente reportagem, queriam que Niterói não ficasse de fora das Olimpíadas. Mas como, se numa oportunidade dessa, todos se afastam?
Para quem não sabe, o Rio Cricket é um clube tradicionalíssimo de Niterói, e suas quadras de tênis foram as primeiras a serem construídas no Brasil. E hoje, na final de duplas do Torneio, com o ingresso franqueado, o maior destaque no clube não era para o tênis e sim para a apresentação, na próxima semana, de uma famosa dupla caipira.
Niterói, que completa 435 anos de existência no próximo dia 22, nunca recebeu um Torneio de Tênis desta importância. Estiveram nas quadras nada menos do que as 40 melhores tenistas do Brasil e outras 40 representantes de 20 países, com destaque para nossa Clarinha, a nº 1 do Brasil e 238 do ranking da WTA,
Ana Clara não foi feliz nas simples sendo eliminada nas oitavas de final pela austríaca Tina Schiechtl, número 338 do mundo, por 2 sets a 0 com parciais de 6/3 e 6/2.
Na final de duplas, com Nanda Alves, tenista que já foi a nº 1 do Brasil por vários anos, enfrentaram e venceram as também brasileiras, Monique Albuquerque e Fernanda Hermenegildo, por 2 sets a 0 com parciais de 6/4 e 6/4.  Foi mais um presente para a menina que completou 21 anos no último dia 6 de novembro.
Clarinha, continue sua caminhada de vitórias, estaremos sempre ao seu lado e curtindo muito o seu sucesso.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010


   Em 2010, o Prêmio Rio Show de Gastronomia chega a sua oitava edição e elege os melhores restaurantes e bares da cidade escolhidos pelo voto de jurados especialistas da boa mesa. Além do júri formado por personalidades do Rio de Janeiro, o prêmio também contou, este ano, com a escolha do público que indicou seus estabelecimentos favoritos pela internet.
Os vencedores foram revelados na premiação que aconteceu na abertura do Circuito Rio Show de Gastronomia 2010, na quinta-feira (18.11), em um evento somente para convidados no MAM, no Aterro do Flamengo. 


Melhor restaurante: Roberta Sudbrack
Melhor chef: Roberta Sudbrack
Melhor francês: Le Pré Catelan
Melhor italiano: Cipriani
Melhor português: Adegão Português
Melhor oriental: Sawasdee Bistrô
Melhor árabe: Amir
Melhor peixes e frutos do mar: Albamar
Melhor carne: Porcão
Melhor salada: Gula Gula
Melhor doce: Garcia & Rodrigues
Melhor vinho: Terzetto
Melhor para falar de negócios: Laguiole
Melhor decoração: Le Pré Catelan
Melhor serviço: Fasano Al Mare
Melhor novidade: Astor
Melhor café da manhã: Garcia & Rodrigues
Melhor ao ar livre: Bar Urca
Melhor suco: Bibi Sucos
Melhor pizza: Bráz
Melhor comida rápida: Ráscal e Rotisseria Sirio-Libaneza
Melhor pé-sujo: Pavão Azul
Melhor pé-limpo: Jobi
Melhor tradicional: Nova Capela
Melhor cozinha contemporânea: Roberta Sudbrack
Melhor sanduíche: Cervantes
Melhor drinque: Meza Bar
Melhor para namorar: Astor e Térèze
Melhor para paquerar: Braseiro da Gávea
Melhor custo benefício: Braseiro da Gávea

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Cruzeiro...dizem que é da CVC

video

MEDIDA PROVISÓRIA nº 02 DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010

Presidência da Confraria
da Correa Dutra
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Aleatórios
MEDIDA PROVISÓRIA Nº 02, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010

Dispõe sobre concessões ou outras obrigações da Confraria da Correa Dutra e Arredores.

O PRESIDENTE DA CONFRARIA DA CORREA DUTRA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 69 da Constituição da Correa Dutra, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 
Art. 1o  Esta Medida Provisória dispõe sobre medidas de suspensão de concessões ou outras obrigações da Confraria da Correa Dutra relativas ao Encontro Anual de 2010.
Art. 2o  Para os efeitos desta Medida Provisória, considera-se:
I – O previsto e aprovado pela Medida Provisória nº 01 de 12 de novembro de 2010.
II – solicitações expressas do Alto Comando da Confraria;
III – orientações do Supremo Conselho;
Art. 3o  Na aplicação desta Medida Provisória, serão adotadas as seguintes medidas que alteram a resolução da Medida Provisória nº 01 de 12/11/2010:
I - alteração da data do Encontro Anual da Confraria para 09 de DEZEMBRO de 2010;
II - o horário permanece a partir das 18 horas;
Art. 4o  As medidas previstas nesta Medida Provisória serão imediatamente aplicadas. 
Art. 5º.  Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação. 

Brasília, 17 de fevereiro de 2010; 50o do Aniversário da Confraria.

J DRINKS NETO
Frango Del Macumba


terça-feira, 16 de novembro de 2010

Por onde andará o Brasília?

    Outro dia, ao passar pela rua do Catete, bem na encruzilhada com a Correia Dutra, lembrei-me de um exu que aparecera na Correia e pouco a pouco foi se enturmando, ficando, ficando e quando prestamos atenção ele já estava dentro. O nome do personagem, não me recordo - peço a ajuda dos confrades - mas pela alcunha todos se lembrarão, estou me referindo ao “Brasília”. Aquela porra louca com sua inconfundível cicatriz à Scarface e seus mil trejeitos. Recordo uma passagem do “Brasília” que merece os devidos registros em nosso blog. 
     Numa certa manhã, saindo para a faculdade, encontrei-o completamente ‘ligado’, em pé, no bar do Manolo, diante de ‘duas’ xícaras de café, esperando a sua esfriar e conversando com o ‘seu amigo imaginário’... diante de um atendente (Canário ou Manolinho) que não sabiam o que fazer e insistiam para que ele fosse para casa ‘descansar’. Tentei conversar com ele, mas diante de sua insistência em dizer que estava bem e querendo me apresentar o seu ‘amigo’, dei uma desculpa esfarrapada e vazei... Não sei que fim levou o velho “Brasília – Scarface”, gostaria de saber notícias dele. Uma lenda urbana nos informa que ele retornou à Brasília e sofreu um acidente (um tiro na coluna) e encontra-se paraplégico, movendo-se em uma cadeira de rodas..??!!.... Será que a embaixada do Distrito Federal poderá nos esclarecer sobre o seu paradeiro?


Byra

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

"Maracangalha", na casa do maestro Tom Jobim - Uma reliquia!

video


Ensaio NA casa do maestro Tom Jobim, Preparando uma gravação da canção
"Maracangalha", de Dorival Caymmi (Incluída No último CD lançado Pelo
artista em 1994, o ano de falecimento).
Estão presentes neste ensaio: o autor Dorival (de chapéu de palha); Seu
Filho Danilo Caymmi tocando flauta; Tom Jobim (Também de chapéu de palha,
ao piano); Paulinho Jobim - violões acústicos, Tião Neto, em outro violão
acústico (bem atrás do maestro) e as meninas do coro: Miucha Adne , Simone
Caymmi (Esposa de Danilo), Ana Lontra Jobim (Esposa de Tom) e Paulinha
Morelenbaum.

Este vídeo, surpreendentemente, permanecia inédito até hoje .

sábado, 13 de novembro de 2010

Charge da Semana

Salvem o Banco Panamericano!

Marvin Gaye "What's Going On / What's Happening Brother"


Na década de 70 a "black music" invadiu continentes, trazendo um balanço que dificilmente conseguia-se ficar indiferente. Dançar ao ritmo de James Brown ou da família Jackson era o "must". Mas dançar de rostinho colado ao som dos The Platters era bom demais. Marvin Gaye era um desses negros americanos que chegaram e mexeram com a gente. Bom de ouvir e dançar muitas vezes. Divirtam-se!

MEDIDA PROVISÓRIA nº 01 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010

Presidência da Confraria
da Correa Dutra
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Aleatórios

MEDIDA PROVISÓRIA Nº 01 DE 12 DE NOVEMBRO DE 2010

Dispõe sobre medidas de concessões ou outras obrigações da Confraria da Correa Dutra e Arredores.


O PRESIDENTE DA CONFRARIA DA CORREA DUTRA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 
Art. 1o  Esta Medida Provisória dispõe sobre medidas de suspensão de concessões ou outras obrigações da Confraria da Correa Dutra relativas ao Encontro Anual de 2010.
Art. 2o  Para os efeitos desta Medida Provisória, considera-se:
I – O previsto aprovado pela Assembléia Geral Extraordinária de 05 de novembro de 2010.
II – Solicitações expressas da Embaixada Alemã;
III – Solicitação especial da Representação de São Paulo;
Art. 3o  Na aplicação desta Medida Provisória, serão adotadas as seguintes medidas que alteram de forma permanente a resolução da Assembléia descrita no Art. 2º:
I - Alteração da data do Encontro Anual da Confraria para 03 de DEZEMBRO de 2010;
II - o horário permanece a partir das 18 horas;
Parágrafo único.  Para efeitos de aplicação das medidas de que trata este artigo, serão consideradas as disposições relativas aos procedimentos registrais previstos na legislação pertinente, respeitadas as atribuições da Casa Civil da Presidência da Confraria da Correa Dutra e Arredores. 
Art. 4o  As medidas previstas nesta Medida Provisória serão imediatamente aplicadas. 
Art. 6o  As medidas de que trata esta Medida Provisória poderão ser aplicadas isolada ou cumulativamente, na forma aprovada em resolução do Conselho da Confraria.
Art. 11.  Fica estabelecido que a Casa Civil estabelecerá mecanismos para monitorar a aplicação das medidas adotadas com fundamento nesta Medida Provisória. 
Art. 12.  Esta Medida Provisória entra em vigor na data de sua publicação. 
Brasília, 12 de fevereiro de 2010; 50o do Aniverário da Confraria.

J DRINKS NETO
Frango Del Macumba
 

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Para dançar e coçar, é só começar.

video

...para dançar e coçar, é só começar ...

Ai Que Saudade D'ocê - (Impossible vocal)!

Pra quem não conhece, apresento-lhes Badi Assad. É mais conhecida na Alemanha do que aqui no Brasil, mas o sentimento é todo Brasil. Reparem no que ela faz com a voz.

Lisa Stansfield and Barry White - All around the world

Ahhh...Barry White. Quem não se lembra das músicas lentas que este negão cantava? Muito rosto suado e uma dor danada no "sacro santo"...Ô dó! As tardes de domingo no Botafogo proporcionaram muitas histórias engraçadas...um dia a gente conta algumas. Enquanto isso, vamos curtir um pouco de Barry White e Lisa Stansfield. Divirtam-se!

terça-feira, 9 de novembro de 2010

ATA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA

Aos cinco dias do mês de novembro do ano de dois mil e dez, devidamente convocados por edital, os confrades e/ou procuradores que assinaram o livro de presença (infelizmente perdido) reuniram-se em Assembléia Geral Extraordinária, em local secreto e ignorado, para deliberarem sobre a seguinte ordem do dia: 1- Encontro da Confraria - Local e Horário. Às dez horas e vinte e dois minutos, o Presidente cumprimenta os presentes, agradece a presença e comunica que a Assembléia está aberta. Eleito pela unanimidade dos presentes para Presidente da Mesa, o Sr. J.Drinks, que convida para secretariar a reunião, o Sr. Frango Del Macumba. Após os drinks iniciais, o Sr. Presidente passa à Ordem do Dia. Convoca os presentes para os drinks, digo, a leitura das Propostas para definição do local e horário do ENCONTRO de 2010, sendo apresentado os seguintes locais: PLANALTO, BAIXOGAGO e CATETE GRILL. A Comissão composta pelo Sr. J.Drinks e o Sr. Frango Del Macumba, após novos drinks e considerações, avaliou com minúcias cada uma das Propostas, considerando as vantagens e desvantagens de cada opção. Diante de todas as análises efetuadas, o Sr. Presidente colocou em votação, sendo vencedora pela UNANIMIDADE dos presentes, o CATETE GRILL (bebe 3 paga 2 choops), no próximo DIA 26 de NOVEMBRO, SEXTA-FEIRA, pontualmente a partir das 18 horas, ou do horário que os Srs.Presidente e/ou Vice-Presidente chegarem. Encerrada a Ordem do Dia, o resultado foi brindado com drinks comemorativos. Os Srs J. Drinks e Frango Del Macumba, Presidente e 1ºVice-Presidente para o exercício de 2011, como previsto pelos ASD (Atos Secretos e Destruídos) de nº 1,2,3,4 e 5. receberam merecidos aplausos e vários drinks em reconhecimento ao brilhante trabalho desenvolvido até aquela data. Em seguida, o Sr. Presidente, confirmou para o mês de JANEIRO de 2011, em local a ser definido, a Reunião Extraordinária com a Delegação de Brasília e da Europa. Sem outros assuntos , o Sr Presidente agradeceu a presença de todos em mais uma concorrida Assembléia e desejou muitos drinks para todos. Para constar, eu, Frango Del Macumba, Secretário da sessão, às dez horas e vinte e três minutos, lavrei a presente Ata, que vai assinada por mim e pelo Exmº e Magnânimo Sr. J Drinks, Presidente da Assembléia (pois ninguém é de ferro).

Frango "Juca Melão" Del Macumba
Secretário

J.Drinks
o Presidente

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Botecos ''pés-sujos'' do Rio resistem às redes

   Para alívio dos fãs dos botequins tradicionais, os balcões de aço, a carne assada exposta na vitrine e as garrafas de plástico com molho de pimenta resistiram à moda das mesas de mármore, à decoração moderna e aos cardápios sofisticados. Bares como o Bracarense, no Leblon, e o Pavão Azul, em Copacabana, já foram alvo da cobiça de donos de redes ou interessados em espalhar franquias pela cidade, mas decidiram manter casas únicas em nome da qualidade do chope, da boa comida e dos clientes fiéis.

   Nos botecos clássicos, os chamados "pés-sujos", a chave do sucesso é evitar mudanças que assustem os frequentadores. "A ideia é manter sempre a estrutura de botequim. Se você começa a colocar outras coisas que não fazem parte desse mundo, você perde a sua identidade", avalia Vera Afonso, dona do Pavão Azul há 33 anos.

   A empresária conta que já recusou ofertas para abrir casas com o mesmo nome em outros bairros da cidade e preferiu a singularidade: um espaço simples, com mesinhas de madeira nas calçadas, um fogão tradicional e bolinhos de bacalhau feitos à mão por uma só cozinheira. "Nesse ramo, se você cresce, você paga um preço, mas nós queremos manter tudo de forma artesanal. Eu até brinco: cliente do Pavão precisa ter paciência, porque é tudo feito na hora e demora um pouquinho", conta.

  "Pés-limpos". Nos últimos seis anos, a expansão de redes de botequins na cidade opôs os defensores dos "pés-sujos" aos clientes dos novos "pés-limpos" - com seus cardápios bem cuidados, decoração padronizada, filiais espalhadas pela cidade, atendimento rápido e banheiros arrumados.

   O crescimento de cadeias como o Informal e o Belmonte atingiu o auge em 2006 e chegou a enfrentar alguns sobressaltos, mas o modelo de negócios resistiu. Com um ambiente sofisticado aliado à decoração rústica, o Informal mantém 11 espaços no Rio, da zona norte à zona sul.

   Já o Belmonte aposta em uma nova estratégia para se distanciar da imagem de padronização comum às cadeias de bares e restaurantes. O dono do grupo, Antônio Rodrigues, comprou o Bar do Belmiro, em Botafogo, mas vai manter o nome original do botequim - que vai passar por uma reforma total e ter seu cardápio renovado (mais informações nesta página). Mesmo sem abandonar décadas de história, os botecos tradicionais reconhecem a necessidade de renovação para não afastar frequentadores. Em 2003, o Bracarense passou por uma grande reforma, ganhando um toldo, banheiros novos e mesas de madeira, mas não perdeu balcão de aço e a clientela.

   "Nossa filosofia é tradicional, mas a estrutura precisa ser a mais atual possível", explica Carlos Tomé, que comanda o bar ao lado do filho Cadu. "O que não podemos é perder a alma, substituir nossos chopeiros com 26 anos de casa só com o objetivo de maximizar o lucro."

   A família já recusou ofertas pelo ponto onde o bar funciona e descarta abrir filiais em outras regiões da cidade, com o objetivo de manter o padrão de qualidade. "A gente não é maluco de rasgar dinheiro, mas quando há um conflito entre o moderno e o tradicional, prevalece sempre a tradição", diz Carlos.

O Homem as viagens - Amor pra recomeçar

Um poema atual do poeta maior

domingo, 7 de novembro de 2010

"Mamãe eu quero", com os Irmãos Marx!

Um clássico do cinema que apesar de não ser de nossa época, demonstra como o talento é o bem mais precioso que um artista de verdade tem.

Horário de Verão: como as crianças reagem a essa mudança?


Uma hora pode parecer pouco, mas ela afeta a rotina do seu filho (e a sua também!). Veja o que fazer para essa fase não ser um problema.
Sabe aqueles dias em que o mais difícil é fazer as crianças caírem no sono? Com a chegada do horário de verão – que começa a partir da 0h de domingo (16) e vai até à 0h de 20 de fevereiro de 2011 -, você vai precisar de um pouco mais de paciência com o seu filho, pois essa situação pode ficar mais frequente. Acordar mais cedo para ir à escola, comer uma hora antes do horário estipulado e outras mudanças na rotina do pequeno podem afetar seu relógio biológico.
A implantação do horário de verão (que acontece nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal) sempre foi polêmica. Enquanto uns a defendem, alegando os benefícios de ganhar mais uma hora sob a luz do sol, outros protestam, pelo fato de terem de acordar uma hora mais cedo. Ambos os lados têm sua razão. Apesar do dia mais longo inspirar uma gama maior de atividades fora de casa, dormir uma hora a menos na primeira semana da mudança causa reações adversas no organismo.
A principal consequência da mudança dos horários é a alteração do sono. Com a irregularidade, a tendência é que tanto adultos quanto crianças se sintam mais cansados durante o dia, irritados e menos atentos. O comum é que a adaptação dure até uma semana.
O corpo humano se prepara para acordar poucas horas antes do sol nascer, quando a temperatura começa a aumentar, e o hormônio cortisol (responsável por despertar você todas as manhãs) atinge seu pico no organismo. Quando se é obrigado a acordar mais cedo, essas reações ficam fora de sintonia. Renato Costa, fisioterapeuta e especialista em fisiologia, comenta que as crianças mais novas não sofrem tanto como as mais velhas, que têm sua rotina já mais consolidada – vão ao colégio e participam de atividades com horários marcados. “Estas sim tendem a apresentar sonolência, falta de apetite e claro, ficam mais manhosas, afinal a mudança de horário mexe com o tempo de sono e de exposição à luz”, afirma. De acordo com o fisiterapeuta existem crianças com hábitos matutinos, que acordam e dormem cedo, e outras com modos vespertinos, que acordam e dormem mais tarde – as vespertinas costumam ter mais problemas durante a transição para o horário de verão.
Como amenizar os efeitos do novo horário
Para diminuir os efeitos da mudança, Renato Costa recomenda que a adaptação aos novos horários de dormir e de comer sejam graduais – é inútil impor a nova rotina de uma vez, já que o organismo da criança não vai aceitar.
Quando o assunto é o sono, ele alerta que o ritual para dormir deve começar muito antes do que o comum. Se a criança dorme normalmente em 30 minutos, ela vai demorar mais enquanto se acostuma com o novo horário. Banhos quentes e massagens ajudam os pequenos a relaxar. Músicas calmas também. “É importante evitar alimentos pesados e estimulantes antes da hora de dormir, além de não incitar atividades físicas neste período. Eles só agitam as crianças”, encerra.
Fonte: Crescer

sábado, 6 de novembro de 2010

Passeio gastronômico pelos bairros de nossas vidas - III



   Indo para a Glória, entrei certa vez em um restaurante bem escondinho, mas de um requinte só. Fica na Casa da Suiça. Cozinha internacional com especialidade nos fundues – que tem mais de 12 tipos, incluindo os tradicionais de carne e queijo. O preço, poderia até ser um pouco salgado, mas valeria a pena. Mas já que tinha entrado, o jeito era relaxar e rezar para o próximo salário pagar a conta. E olha que naquela época, não tinha esse negócio de cartão de crédito. Mas comi um dos melhores filés de minha vida. O prato chamava-se filet au poivre vert – flé mignon com pimenta verde. De sobremesa, recomendo o strudel de maçã. Ainda não comi outro igual! 
   Ô nêgo besta! Mas recomendo àqueles que quiserem fazer as pazes com uma esposa aborrecida ou na comemoração de bodas de prata ou outras celebrações que façamos de décadas em décadas.
   Subindo a Cândido Mendes, cheguei a Adega do Pimenta, na rua Almirante Alexandrino. Ali comi um dos melhores bolinhos de bacalhau do Rio de Janeiro.
  Tinha um que comíamos, mas não era lá, e que era feito pela Benvinda, portuguesa de traseiro avantajado, irmã do Manolo, dono do boteco lá do 166 da Correa Dutra; mas sempre ficou a dúvida se ela usava mesmo bacalhau, pois diziam que ela tinha uma mania de coçar a x....e daí ..bem, deve ser coisas de “línguas de matildes”. Voltemos a Santa Teresa. 
   Pois bem, ao visitar este bairro é quase uma obrigação visitar o Bar do Pimenta e deliciar-se com seus bolinhos. Fiquei sabendo também, que aos sábados tem uma variedade de pratos que certamente, irei lá conferir. Vou de bondinho, tá? Depois eu conto. 
   Mas olhem, dizem que tem na Ilha do Governador, tem o Rei do Bacalhau, no bairro do Cocotá. Quem for, nos diga.
   Desci Santa Teresa, entrei na Rua do Lavradio e cheguei a Rua da Carioca. Fui visitar um restaurante centenário, que me foi apresentado por meu falecido tio Nilton Rosadas – o Bar Luiz.
   O Bar Luiz, que se chamava Bar Adolph e na época da guerra mudou seu nome, por motivos óbvios, é um restaurante que serve excelente comida alemã e onde alguns de nós freqüentamos. O bolinho de carne, a salada de batata com maionese, os frios sortidos com pão preto e mostarda escura, o eisbein defumado, o chucrute com salsichão, são pratos tradicionais e sempre os mais pedidos pela clientela fiel. Sempre que vou ao Rio, faço uma visita em homenagem a meu tio, que era um assíduo frequentador e tinha até uma carteirinha por isso. Saiba mais: http://www.barluiz.com.br/article.php3?id_article=105)

   Pertinho da Rua da Carioca encontro a Confeitaria Colombo. Este nome por si só já é um maco na história do Rio de Janeiro. Parada obrigatória para quem visita a cidade pela primeira vez e para quem anda pelas ruas do Centro no dia a dia, um pit-stop fundamental para saborear uma coxinha de galinha (enorme, por sinal) com um copo de mate. Além de saborearmos alguns salgados, podemos tomar um chá completo (melhor nos dias frios), com torradas petrópolis, manteiga e geléia; ou então pedirmos uma banana split nos dias de verão. Imaginar quem passou por ali, personagens de nossa história política e social, imaginando aquele cenário do início do século, refletindo imagens através de seus espelhos de cristal francês. 
   Bem em frente, da Colombo, funcionava a loja Príncipe, onde trabalhava a D. Maria do Carmo, mãe do Xinzinho. Lá minha mãe e acredito que outros de voces, comprou a roupa de minha primeira comunhão. Nossas homenagens a D. Maria do Carmo, que hoje não está mais entre nós. Gerações e gerações ainda irão se deslumbrar com este pedacinho de Europa encravado no centro da cidade. Tem uma filial da confeitaria em Copacabana, lá no Forte (aliás eu achei muito sem graça), mas nem se compara ao luxo e ao glamour da matriz.
  Continuaremos a fazer os passeios gastronômicos de nossas vidas. Aguardem, tem muito mais. Até breve!