domingo, 28 de setembro de 2008

Blog pros amigos

Meus queridos amigos!

Hoje, eu e o Zé Drinks, estamos inaugurando um espaço virtual, onde voces receberão periodicamente notícias e informações de nosso interese. Um ponto de encontro. Um lugar aonde possamos nos “encontrar”, relembrar nossa infância e juventude na cidade mais linda do mundo, que acolhe uma ruazinha que para nós é tão importante - a Rua Corrêa Dutra..

Palco de tantas emoções. Dividida pela Rua do Catete, a nossa rua era: a de baixo e a de cima. Apesar de ser apenas uma divisão “geográfica”, para nós era uma rua indivisível, pois a confraternização nos bares aos sábados a noite, era a liga que nos unia, e hoje voltamos a nos encontrar por meio da internet que nos trouxe de volta a reencontros emocionantes.

Amores correspondidos. Amores não correspondidos. Amigos que se perderam no caminho. Amigos que ainda se vêem e cujos filhos são amigos uns dos outros. Outros não têm a mesma sorte, mas já ouviram falar de histórias passadas, em sua maioria, divertidas e incrivelmente verdadeiras. Os bailes de domingo no Botafogo. Os bailes aos domingo no Botafogo. Os bailes de carnaval no Botafogo, na sede do Mourisco - infelizmente demolida para dar lugar a um prédio sem graça de granito e vidro. As viagens pelo litoral fluminense, pois a praia sempre foi uma constante em noissas vidas. Gente! Que saudade do Brejo! Teve um dia (apenas um dia) em que teve uma ressaca em que pegamos “jacaré” em ondas de mais de 2 metros! Os jogos no Maracanã, onde a participação de alguns se tornava obrigatória na torcida dos outros. Pais e mães que se foram, mas que guardamos na lembrança, as vezes que os visitávamos nos dias de Natal, logo após ceiarmos com os nossos. As meninas da Corrêa. As meninas que não moravam na Corrêa. Os barbeiros - Seu Monteiro, Russo e Délio. O dono da Padaria Maurinha. O Txisma, dono do boteco na esquina com a Bento Lisboa, que servia um caldo de mocotó às 5:30h da manhã de domingo, ao iniciar a feira. A feira da Corrêa Dutra. O cheiro da feira. O Brejo, cujo nome apesar de parecer pejorativo sempre nos encheu de orgulho, pois para os outros a nossa praia era a Praia do Flamengo, para nós era Brejo mesmo… e até legalzinho.

Sejam bem-vindos, então! Espero que gostem e que contribuam com histórias, fotos, músicas e o que for importante para recordarmos daquela época e nos revermos nestes tempos modernos onde filhos e netos já são uma realidade em nossas vidas.

Beijos!